Publicidade
Notícias | Rio Grande do Sul Pandemia

Governo adia novo plano de distanciamento e mantém todo o RS em bandeira vermelha

Até quinta-feira da próxima o Estado deverá finalizar o novo modelo e já apresentá-lo à sociedade gaúcha. A vigência começaria no sábado, dia 15

Publicado em: 07.05.2021 às 03:00 Última atualização: 07.05.2021 às 10:08

Por enquanto governo não apresentou detalhes do novo plano de distanciamento Foto: Felipe Dalla Valle/P. Piratini
Previsto para entrar em vigor na próxima segunda-feira, o novo modelo de distanciamento controlado do Rio Grande do Sul foi adiado. Antecipada pelo Jornal NH na quarta-feira, a decisão foi confirmada ao longo do dia pelo governo estadual. Com isso, a bandeira vermelha segue valendo nas 21 regiões e a cogestão continua suspensa, ou seja, todos os municípios precisam seguir as mesmas regras, sem flexibilizações. O ensino presencial está liberado.

Anunciado no último dia 27 - quando o governador Eduardo Leite (PSDB) encerrou o ciclo de dois meses de bandeira preta -, o fim do modelo que monitorava 11 indicadores e, a partir disso, atribuía bandeiras de classificação de risco às regiões viria com a edição de novo decreto esperado para hoje e com vigência a partir de segunda-feira.

A proposta, entretanto, dividiu opiniões de prefeitos, deputados e especialistas e o Estado decidiu ampliar o prazo para análise. A definição agora é esperada para quinta ou sexta da próxima semana, com vigência a partir do dia 15. O governo vai substituir o sistema de bandeiras por alertas de risco. A promessa é simplificar as regras para facilitar a compreensão da população.

Ontem, o Gabinete de Crise do Estado concedeu mais prazo para, segundo o governador, "ampliar o diálogo com a sociedade". Uma nova reunião virtual com prefeitos e deputados está marcada para esta sexta-feira. No sábado serão mais dois encontros, um com especialistas em saúde e outro com líderes dos principais segmentos econômicos.

Quem participar da discussão terá prazo até a próxima terça-feira para encaminhar sugestões ao Gabinete de Crise. Até quinta-feira o grupo deverá finalizar o novo modelo e já apresentá-lo à sociedade gaúcha. A vigência começaria no sábado, dia 15.

Onde está o impasse

A proposta inicial do novo modelo de distanciamento, agora baseado em alertas e não mais em bandeiras, foi apresentada a prefeitos e deputados no meio da semana. O Estado prevê que as prefeituras continuem podendo adotar protocolos diferentes por tipo de atividade, desde que respeitando critérios mínimos de acordo com os níveis da pandemia na região, na macrorregião e no Estado.

O plano de fiscalização apresentado pelas prefeituras continuaria válido. Nas reuniões do meio da semana o Executivo não deu detalhes de como funcionariam os indicadores, por exemplo. Analisando que a ideia inicial foi apresentada de forma muito genérica, a Federação das Associações de Municípios (Famurs) é uma das entidades que criticou a postura do governo.

“Os prefeitos querem participar da construção deste regramento”, argumentou o presidente da Famurs, Maneco Hassen, lamentando que informações básicas para avaliação do novo modelo ainda não foram divulgadas. A entidade adianta que pedirá uma participação mais efetiva das forças de segurança no controle das aglomerações em todo o Estado.

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade
Matérias relacionadas

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.