Publicidade
Notícias | Rio Grande do Sul Espetáculo da natureza

Temporada das baleias-francas traz velha conhecida para águas gaúchas

Mamíferos que pesam até 60 toneladas costumam vir todo o ano se reproduzir e ganhar filhotes nos litorais do Estado e de Santa Catarina. Algumas delas já são figurinha carimbada por estes lados

Por Ermilo Drews
Publicado em: 03.08.2020 às 07:00 Última atualização: 03.08.2020 às 10:43

Época do ano é propícia para aparecimento de baleias-francas na costa do sul do Brasil Foto: Ignacio Moreno/Ceclimar/Ufrgs
Se a cada verão milhares de turistas argentinos vêm para o sul do Brasil aproveitar as praias, no inverno, quem curte o litoral por estas bandas é um "pessoal da pesada". Podendo medir mais de 17 metros e pesar acima de 60 toneladas, a baleia-franca aproveita a faixa do Oceano Atlântico entre a Argentina e Santa Catarina para ganhar seus bebês. A temporada de nascimento começou em maio e se estende até setembro. Aqui, se acasalam, dão à luz e amamentam os filhotes.

Estas espécies estão tão acostumadas a fazer esta migração que registros do mesmo animal cruzando nossas águas não são raros. O publicitário e fotógrafo Marcelo Langon fez esta descoberta ao compartilhar suas fotos com a ONG Instituto Australis de Santa Catarina, mantenedora do Catálogo Brasileiro de Fotoidentificação da Baleia-Franca, que conta com baleias catalogadas desde 1987.

O animal fotografado por Lagon no último dia 15 em Rainha do Mar já frequenta as águas gaúchas há décadas. "Para a minha surpresa e alegria, a baleia que batizei de "Bah" já esteve três vezes no litoral gaúcho e sempre com um filhote novo", comenta Langon. Segundo o Instituto Australis, a "Bah" foi registrada pela primeira vez no Balneário Rincão, em Santa Catarina, em 1994. Em 2004, apareceu com um filhote en Tramandaí e Cidreira. Já em 2009, foi fotografada com outro filhote em Torres. E agora, Langon registrou a espécime com outro filhote (confira todas as fotos na galeria de imagens abaixo).

Bah deve ter mais de 30 anos de vida

Diretora de pesquisa do ProFranca/Instituto Australis, Karina Groch estima que a Bah tenha aproximadamente 33 anos. "As baleias são consideradas adultas a partir do momento que atingem a maturidade sexual, que ocorre aos 6 anos de idade, geralmente." Não se sabe ao certo atÉ quantos anos um animal destes pode chegar, mas há registros de espécimes com mais de 60 anos. Além desta espécie, outras como leão-marinho e pinguins vêm para a costa gaúcha, mas para se alimentar. A baleia-franca é a única que vem para reproduzir.

Pesquisador explica hábito e como identificar a baleia

Professor e pesquisador do Centro de Estudos Costeiros, Limnológicos e Marinhos (Ceclimar), o biólogo Ignacio Moreno ensina que os vertebrados tendem a voltar ao local onde nasceram, fenômeno conhecido como filopatria. "As baleias-francas têm este padrão de fidelidade ao sítio de nascimento. Aqui no hemisfério sul, elas se alimentam nas áreas antárticas e subantárticas. Mas quando começa a ficar muito frio lá, elas migram para o norte", detalha. Moreno explica que dificilmente estes animais passam do sul do Brasil. "Alguns até tomam outras direções, indo para a África. Mas os que costumam vir para cá ficam entre o Rio Grande do Sul e Santa Catarina."

Sobre a possibilidade do mesmo animal ser reconhecido várias vezes, ele diz ser possível. "Estas baleias têm padrões de calosidade que são únicos em cada espécime, como se fosse uma impressão digital. Com uma foto aérea de boa qualidade é possível identificá-la." O pesquisador diz ainda que depois de ganhar o filhote, a baleia-franca o amamenta por uns meses, quando retorna com ele para as águas antárticas. "Depois ela volta com o filhote para cá. Com isso, ele aprende o caminho de ida e volta e pode ser independente."

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade
Matérias relacionadas

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.