Publicidade
Botão de Assistente virtual
Notícias | Região RECONHECIMENTO

Bailarina da região rumo a curso na Ópera de Paris

Leopoldense garantiu vaga entre mais de 800 candidatas para julho

Por Alecs Dall'Olmo
Publicado em: 13.05.2022 às 03:00 Última atualização: 13.05.2022 às 20:59

Em 1669 começa a história da dança na Ópera de Paris, na França. A casa francesa da dança tem entre seus muitos talentos nomes como Sylvie Guillem e Aurélie Dupont. E, claro: Margot Fonteyn (1919 - 1991) e Rudolf Nureyev (1938 - 1993). E é para lá que vai a leopoldense Sofia Stahl, 10 anos. Ela garantiu vaga entre mais de 800 candidatas para o Summer Curse da Ópera de Paris que corre em julho.

A família, especialmente por meio da mãe Valéria Stahl e da avó Ivanisa Stahl, está mobilizada em viabilizar o sonho da menina de participar do disputado curso na escola Paris Opera Ballet. Para isso estão em andamento iniciativas para arrecadar recursos, com destaque para a ação nas redes, Sofia na Ópera de Paris, por meio do projeto vaquinha on-line.

Dedicação intensa para a dança da bailarina Sofia Stahl
Dedicação intensa para a dança da bailarina Sofia Stahl Foto: Acervo pessoal

 

"Eu tenho um sonho maior do que eu mesma: me tornar bailarina profissional e encantar plateias pelo mundo! E luto por ele diariamente com todas as forças do meu coração", ressalta a jovem artista, que foi apresentada para a dança na escolinha Casa Da Vó, em São Leopoldo. "Ela se mostrou muito animada desde o início e sempre vinha para casa insistindo em fazer mais balé, que era pouco, precisava de mais. De tanto insistir, aos 5 anos, além das aulas normais dos projetos da escolinha, colocamos a Sofia no Ballet Sinos, também de São Leopoldo", conta a mãe.

Festivais

Valéria Stahl e a avó Ivanisa ressaltam que logo foi possível perceber o desenvolvimento dela e que realmente tinha potencial para a dança. Em 2019 ela foi para a Brilhart Escola, também de São Leopoldo, e passou a participar com destaque de festivais. Um dos primeiros foi o Dançando NH, em 2019. E os eventos ganharam espaço e ela passou a conquistar classificação entre os 3 primeiros lugares, incluindo em festivais em outros Estados do Brasil. E foi além. Em 2021, ficou no Top 12 do YAGP (Youth America Grand Prix ), na Itália, no clássico pré-competitivo e, em 2022, tirou primeiro lugar nos dois solos do Global Dance e se classificou para as finais mundiais em junho. Mais sobre Sofia no Instagram (sofia.abailarina).

Aulas no Conservatório e vida em Portugal

E muito por conta do balé, Sofia mora desde o ano passado no Porto, em Portugal. “Recomeçamos a vida em um novo país, demorei um pouco a conseguir recolocação profissional. Somos uma família econômica, pois tentamos direcionar ao balé a maior parte dos recursos”, destaca a mãe. Sofia estuda e conta com uma bolsa no Pallco, Conservatório de Dança e Música.

“A bolsa no Conservatório cobre as aulas de balé, preparações e treinos, mas figurinos, transporte, inscrições em festivais e roupas de treinamento, moradia e manutenção são por conta das famílias. Apesar da felicidade imensa em a ver conquistando uma vaga no programa de verão da Ópera de Paris, atualmente, não temos a integralidade dos recursos para o curso e viagem. Por isso abrimos a vakinha, em 2020, para trazer a Sofia para Portugal, fizemos rifas, galeto, brechós e venda de bolos e biscoitos. Porém em Portugal a legislação para estas atividades é diferente do Brasil e torna estas atividades mais difíceis de serem realizadas”, explica.

Olhar dos professores

A família faz questão de destacar os primeiros passos e o olhar atento e afetivo dos professores na cidade. “A primeira professora da Sofia, ainda na Escolinha Casa Da Vó, foi coincidentemente com a professora Giovanna Isoton, proprietária da Escola Brilhart, última escola de Ballet da Sofia em São Leopoldo. Além disso, a professora Nega Moss da Ballet Sinos também fez parte importante do aprendizado da Sofia”, reforça Ivanisa.

Dificuldade, escolhas, muita emoção e forte apoio da família

“Como mãe não escolheria este caminho para ela, sabendo das dificuldades, mas eu não posso deixar de me sentir emocionada em ver minha filha tão jovem já apaixonada e dedicada. Sempre digo às pessoas, Sofia nasceu para isso e me sinto privilegiada em poder participar do seu crescimento como bailarina, em ver a sua dedicação diante de todo desafio ou dificuldade e poder comemorar com ela cada avanço ou vitória”, ressalta a mãe.

A avó lembra que o caminho não é fácil. “Fora as aulas regulares (na escola), Sofia se dedica inteiramente ao balé. Dessa maneira, muito cedo já começa a abdicar de coisas próprias da idade, mas o desejo de ser uma bailarina fala mais alto.”

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade
Matérias relacionadas

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.