Publicidade
Botão de Assistente virtual
Notícias | Região Sapucaia do Sul

Primeira passarela do trecho duplicado da RS-118 está 18,3% pronta

Localizada no quilômetro 5,1 da RS-118, a travessia teve sua obra iniciada no dia 7 de julho, seis meses após a entrega da duplicação de 21,5 quilômetros da rodovia estadual

Por Jean Peixoto
Publicado em: 13.10.2021 às 03:00 Última atualização: 13.10.2021 às 07:37

Três meses após o início da sua construção, a primeira passarela do trecho duplicado da RS-118, em Sapucaia do Sul, está com 18,36% dos serviços concluídos. Com prazo de seis meses para a conclusão da estrutura, o Departamento Autônomo de Estradas de Rodagem (Daer/RS), responsável pela administração da rodovia, afirma que as obras estão transcorrendo dentro do cronograma previsto.

Há três meses do fim do prazo, passarela do km 5,1 da RS-118 está 18,3% concluída
Há três meses do fim do prazo, passarela do km 5,1 da RS-118 está 18,3% concluída Foto: Diego da Rosa/GES

Localizada no quilômetro 5,1 da RS-118, a travessia teve sua obra iniciada no dia 7 de julho, seis meses após a entrega da duplicação de 21,5 quilômetros da rodovia estadual. Já a segunda passarela, localizada no quilômetro 10,4, no limite entre Cachoeirinha e Gravataí, que teve sua obra iniciada em 22 de julho, está com 4,69% dos serviços concluídos.

O Piratini investirá, ao todo, R$ 7,2 milhões (R$ 3,8 e R$ 3,3 milhões), provenientes do Tesouro do Estado, nas duas estruturas. Ambas têm a mesma composição, com pilares de concreto armado e 6,5 metros de altura por 2,6 metros de largura interna. A parte que corresponde à travessia será de metal, com cobertura de telhas metálicas e telas de proteção nas laterais.

Segunda travessia

Das seis passarelas previstas para o trecho duplicado, três delas devem ser instaladas no território sapucaiense, nos quilômetros 2,1 e 2,5, além daquela que está em construção no 5,1.

De acordo com o Daer - que é vinculado à Secretaria de Logística e Transportes (Selt) -, na última quinta-feira, 7 de outubro, a passarela que ficará no quilômetro 2,5 foi encaminhada para a Diretoria de Infraestrutura Rodoviária do departamento para dar prosseguimento ao processo licitatório. Já as demais estruturas - que estarão nos quilômetros 2,1, 15 e 19 - seguem em fase de projeto.

Iluminação

Pelo menos duas das quatro mortes por atropelamento registradas na RS-118 em julho, só no trecho sapucaiense, ocorreram no km 5, à noite. Além da ausência de uma travessia segura, a falta de iluminação castiga os moradores do entorno da rodovia. O prefeito de Sapucaia do Sul solicitou apoio do Estado para resolver o impasse. Conforme o Daer, o projeto de iluminação está na etapa de conclusão do orçamento e deve ser encaminhado à Central de Licitações do Estado ainda neste ano.

MP cobra a Selt

Em 15 de setembro, ocorreu uma reunião no Gabinete do procurador-geral de Justiça do Ministério Público (MP/RS), Marcelo Lemos Dornelles, com a participação do titular da Selt, Juvir Costella, para debater sobre os problemas de segurança viária da RS-118. Na ocasião, foi discutido o inquérito civil para o acompanhamento das obras, que tramita no MP de Sapucaia do Sul, devido à serie de atropelamentos registrados na rodovia, que está sem passarela desde abril de 2018.

61 acidentes fatais

Dos 61 acidentes com mortes registrados no trecho sapucaiense da RS-118, entre 2010 e 2019, 24 foram atropelamentos. Os dados divulgados pelo Departamento de Trânsito do Rio Grande do Sul (Detran/RS), em estudo inédito publicado em setembro, revelam que, mesmo antes da retirada da passarela que havia no quilômetro 5, até abril de 2018, a rodovia estadual já era o principal foco de acidentes fatais do município. De acordo com o levantamento, 34% dos acidentes registrados em Sapucaia do Sul no período ocorreram na RS.

Do total de acidentes com óbitos, 11 ocorreram no quilômetro 5, mesmo local onde ocorreram quatro mortes por atropelamentos em 20 dias de julho deste ano. O local é o ponto de acesso para os alunos da Escola Municipal de Ensino Fundamental Afonso Guerreiro Lima, localizada na Avenida Flores da Cunha, a uma quadra da RS-118, além de igrejas e pontos de ônibus.

O prefeito de Sapucaia do Sul, Volmir Rodrigues, vem acompanhando o andamento das obras e segue em contato com o Estado em busca de melhorias para a rodovia. Segundo ele, a prefeitura está trabalhando em um acesso à RS-118 pela Avenida Sapucaia e está em negociação pela duplicação da rodovia nas imediações do cemitério João XXIII. O prefeito explica que, para a realização da obra, serão removidos mais de 200 túmulos, que serão realocados, para viabilizar a ampliação. Ele afirma que o projeto está em discussão com o secretário Juvir Costella e com o Daer.

O ex-presidente da Câmara sapucaiense, Nelson Brambila, frisa que já em 2017, quando presidia a Casa, convocou uma audiência pública, com a presença de representantes do governo do Estado, solicitando a instalação de passarelas provisórias. A proposta não saiu do papel e o número de passarelas previstas (3), seguiu o mesmo. "É um absurdo o descaso com as pessoas que atravessam a 118. Estas mortes foram uma tragédia anunciada."

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade
Matérias relacionadas

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.