Publicidade
Notícias | Região Protesto

O que está por trás dos bonecos de PMs deixados em rodovias da região

Na segunda-feira, objeto fardado foi deixado em viaduto na RS-239, em Novo Hamburgo

Por Silvio Milani
Publicado em: 27.04.2021 às 03:00 Última atualização: 27.04.2021 às 09:42

Representação de brigadiano com explosivo surpreendeu motoristas ontem na rodovia Foto: nono
A nova aparição do enigmático boneco de policial militar com uma falsa bomba presa na farda, desta vez em Novo Hamburgo, na manhã de ontem, trouxe perplexidade a motoristas e vai gerar inquérito interno na Brigada. É a terceira vez em oito dias que soldados da corporação, em protesto por plano de carreira, deixam objeto parecido em rodovias da Região Metropolitana.

O telefone 190 da BM foi avisado por volta das 7 horas sobre estranho corpo fardado na lateral do viaduto da RS-239, no bairro São José. Um volume de cor metálica preso do lado esquerdo era a preocupação. A aparência de explosivo deixou motoristas atônitos. Um cartaz dava o recado: "Modernização já". Meia hora depois, o boneco foi recolhido pela corporação.

Avaliação

Ao contrário das outras duas vezes, não houve isolamento para grupo antibomba e perícia. "Foi recolhido porque não oferecia risco, pela avaliação da guarnição. O artefato que estava grudado era muito artesanal. Nossos policiais têm curso básico de localização de explosivo", declara o comandante do 3º Batalhão de Polícia Militar de Novo Hamburgo, major Emerson Ubirajara de Souza.

E observa: "Se isolasse o local e chamasse a perícia, causaria transtorno enorme à comunidade, ainda mais naquela hora". Na última quinta-feira, na RS-118, quase na BR-116, em Sapucaia do Sul, e na segunda da semana passada, também na 118, em Alvorada, bonecos parecidos causaram três horas de pista interditada e congestionamento até que o Batalhão de Operações Especiais (Bope) descartasse bomba.

Fantoche foi guardado para inquérito

O comandante observa que o boneco não será destruído até uma análise técnica. "Foi recolhido e ficará armazenado aqui no quartel à disposição, se o comando decidir por inquérito." A investigação interna, conforme Ubirajara, será por causa da utilização da farda. "Em outras vezes, foi instaurado inquérito, mas é difícil chegar à autoria." Diante de indícios de que o ato tenha sido provocado por PMs, seria caso de crime militar.

 

"Estamos explodindo",declara soldado

Um soldado da Brigada Militar traduz o significado do boneco. "Mostra que estamos explodindo devido à falta de uma carreira digna." Segundo o policial do Vale do Sinos, é a forma que os profissionais encontraram para mobilização. "Temos um regulamento disciplinar muito rígido, sem previsão de manifestações, como greve."

Ele acrescenta "diversos casos" de transtorno de saúde mental na instituição. "Nosso Estado é líder no País em suicídio, com oito desde o início do ano." Em outra forma de pressão, soldados estão entrando nas redes sociais do secretário da Segurança Pública e vice-governador, Ranolfo Vieira Júnior, para pedir novo plano de carreira.

Promoção a sargentoé o ponto do impasse

Segundo a Associação Beneficente Antonio Mendes filho (Abamf), que representa os praças da Brigada Militar, em 2019 foi proposto novo plano de carreira e o governo ainda não deu resposta. O principal ponto é a promoção de soldado a sargento por tempo de serviço e não mais por concurso interno.

"A tropa está indignada porque o governo não está aceitando. Nos últimos dias, o governo sinalizou com concurso, que é justamente o que não queremos, e depois trancou a decisão por causa das manifestações", expõe o presidente regional da Abamf, sargento Júnior Cesar Funck. Ele salienta que os bonecos não são protestos da entidade. "A gente quer deixar bem claro que não compactuamos. São atos isolados."

Funck salienta que o soldado trabalha sem perspectiva de crescimento na carreira. "Ele entra e pode ficar 35 anos na mesma função. Pelo nosso projeto, vai ser promovido automaticamente, como acontece com os oficiais da Brigada e servidores de outras instituições da segurança pública. E essa proposta não traz ônus ao Estado. Pelo contrário, dará economia de R$ 20 milhões ao ano à Previdência, pois o hoje o soldado ganha diferença de sargento, mas contribui como soldado. Com a promoção, vai se tornar sargento e contribuir como sargento."

Governo não dá prazo

Em nota emitida na tarde de ontem, a Secretaria da Segurança Pública (SSP) menciona entraves na legislação e não sinaliza com uma solução para breve. "É imperativo que a avaliação da questão leve em conta o estudo de vedações legais a alterações em planos de carreiras, como por exemplo, a lei federal complementar 173/2020. Diante desse cenário, o pleito está em fase inicial de análise e estudo pelo governo do Estado, para uma futura tomada de decisão com a responsabilidade que o tema exige."

A nota diverge da Abamf quanto ao tempo de apresentação da proposta. "O pleito do plano de carreira da Brigada Militar foi levado pelas associações de classe ao governo do Estado no final de dezembro do ano passado. Trata-se de tema extremamente complexo e não é razoável nem responsável imaginar que se apresentaria em apenas quatro meses a solução para uma questão de magnitude tal que não permitiu equacioná-la ao longo dos 183 anos da corporação."

 

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade
Matérias relacionadas

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.