Publicidade
Notícias | Região Flagrante

Vereador preso por tráfico será investigado por ligação com facção do Vale do Sinos

Segundo a Polícia Civil, parlamentar de Cachoeirinha não era alvo, mas foi flagrado no contexto de operação contra organização criminosa

Por Silvio Milani
Publicado em: 04.12.2020 às 19:58 Última atualização: 04.12.2020 às 20:06

Mais de 800 quilos de droga, entre maconha e cocaína, foram apreendidos entre a tarde e noite de quinta-feira Foto: Polícia Civil
Mais de 800 quilos de drogas apreendidos, um laboratório de cocaína fechado e um vereador preso. Em seis horas de operação em Porto Alegre e Cachoeirinha, entre a tarde e noite de quinta-feira (3), o Departamento Estadual de Investigações do Narcotráfico (Denarc) chegou a grupos ligados à facção Os Manos, do Vale do Sinos. “É uma investigação bem grande de organização criminosa na região metropolitana, relacionada ao pessoal de Novo Hamburgo São Leopoldo”, declara o delegado Alencar Carraro.

Manoel de Ávila Foto: Cânara de Vereadores de Cachoeirinha
Em um prédio comercial cercado por muro no bairro Medianeira, na capital, os agentes flagraram um laboratório de cocaína onde recolheram sete quilos da droga pura e 142 de mistura. Em outro imóvel do grupo, no bairro Cascata, encontraram 200 quilos de maconha. A maior apreensão aconteceu em Cachoeirinha, em depósito no bairro Jardim do Bosque. Foram 600 quilos de maconha. Os policiais percorreram outros pontos suspeitos na cidade e chegaram a um sítio. É onde prenderam o vereador de Cachoeirinha Manoel Luis de Ávila (PV), 51 anos.

Ficha limpa

“O vereador não era investigado, mas apareceu no contexto”, observa o delegado. Conforme Carraro, o parlamentar estava com pequena quantidade de maconha e uma arma com numeração raspada. ‘Foi autuado em flagrante por tráfico, associação e porte ilegal”, frisa o delegado. A defesa do vereador, que está nos últimos dias de mandato, não foi localizada. Ele teve a candidatura impugnada nas eleições deste ano por causa da lei da ficha limpa. Seria por condenação em caso de corrupção. Tem antecedentes policiais considerados leves, como ameaça, tumulto e vias de fato. A reportagem entrou em contato com o Legislativo de Cachoeirinha na tarde desta sexta. Conforme a segurança, o órgão só funciona de manhã e não tem serviço de plantão.


Parlamentar entrou em contradição

Além da apreensão de droga e arma, o comportamento do vereador levantou mais suspeitas. “O vereador estava nesse sítio com outras pessoas. Primeiro disse que a propriedade é dele, depois disse que não é dele, alegando ser de uma ONG com fins filantrópicos”, revela Carraro. Segundo ele, o papel do político na organização ainda não está claro. “Possivelmente disponibiliza o sítio para pessoas envolvidas no tráfico. Vamos apurar esse local. Se é lavagem de dinheiro.”


Investigação continua

O delegado observa que a investigação continua. “Apreendemos celulares, documentos. Em cima disso, vai se prosseguindo e aprofundando aa investigação, juntando a indícios a que já tínhamos, com apreensões robustas de drogas já realizadas.” E afirma: “Com certeza são ligados à facção com origem no Vale do Sinos”.

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade
Matérias relacionadas

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.