Publicidade
Notícias | Rio Grande do Sul Distanciamento controlado

Regiões de Novo Hamburgo, Canoas, Taquara e Caxias do Sul permanecem em bandeira vermelha

Para a área sob a referência hamburguense, normas da classificação de risco alto entram na sétima semana consecutiva

Por João Victor Torres
Publicado em: 31.07.2020 às 19:22 Última atualização: 31.07.2020 às 20:29

Ao todo, 14 regiões gaúchas estão de forma preliminar na bandeira vermelha Foto: Divulgação/Estado
Apesar do esforço coletivo na última semana, quatro das cinco regiões da área de abrangência do Jornal NH não conseguiram deixar as normas mais restritivas do modelo de distanciamento controlado do Estado, casos dos blocos intermunicipais liderados por Novo Hamburgo, Canoas, Taquara e Caxias do Sul. Por outro lado, Capão da Canoa conseguiu retornar à bandeira laranja. A confirmação veio nesta sexta-feira (31) durante a divulgação prévia da 13ª rodada oficializada pelo governo gaúcho. Com isso, a região hamburguense ingressa, agora, na sétima semana consecutiva em bandeira vermelha, assim como Canoas e Porto Alegre.

CONTEÚDO ABERTO | Leia todas as notícias sobre coronavírus

A partir de agora, há prazo de recurso aberto para questionar a classificação de risco alto imposta, sendo que a bandeira definitiva será conhecida apenas na segunda-feira (3). De acordo com a prefeita Fatima Daudt, Novo Hamburgo ingressará com recurso para diminuir o nível de restrições. “Fizemos o dever de casa, aumentando a capacidade de atendimento, colocando em prática desde março o Plano de Contingência, seguindo os protocolos impostos pela bandeira vermelha e com isto, o número de casos está estabilizado na cidade e tivemos melhoras nos índices de avaliação do distanciamento controlado do Estado”, afirma.

Já o presidente da Associação dos Municípios do Vale do Paranhana (Ampara) e prefeito de Igrejinha, Joel Wilhelm, a permanência na bandeira vermelha não foi uma surpresa para a região liderada por Taquara. “Faremos a análise dos números e a gente discute, se por acaso, há algum número que possa contestar. Se não tiver subsídios, não”, complementa, ao adiantar que neste sábado (1º) ocorrerá reunião, em São Francisco de Paula, com os demais integrantes do grupo intermunicipal.

Quem conseguiu a reversão, comemorou os resultados. “Indicativos eram de que se não entrássemos na bandeira laranja nesta semana, seria na próxima”, afirma o presidente da Associação dos Municípios do Litoral Norte (Amlinorte) e prefeito de Imbé, Pierre Emerim. “Acabou se confirmando nossa expectativa”, acrescenta, ao comentar a aferição dos dados prévios divulgados pelo Piratini.

Mudanças no modelo de distanciamento

A coordenadora do Comitê de Dados do Rio Grande do Sul, Leany Lemos, confirmou duas alterações no modelo de distanciamento controlado. A primeira delas se trata na modificação no formato de contagem de pacientes em leitos de unidades de terapia intensiva (UTIs) da macrorregião para prevalecer o critério de residência.

Além disso, foram feitas readequações no ponto de corte de sete indicadores (três de velocidade da propagação, dois de incidência da propagação e dois de capacidade de atendimento).

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade
Matérias relacionadas

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.