Publicidade
Acompanhe:
Notícias | Região Política

''Lula foi vítima de uma farsa jurídica'', diz presidente estadual do PT

Deputado estadual Pepe Vargas responde pelo comando do Partido dos Trabalhadores no Rio Grande do Sul até dezembro deste ano

Por João Victor Torres
Última atualização: 08.11.2019 às 20:56

Pepe Vargas preside o PT no Rio Grande do Sul Foto: Vinicius Reis/Assembleia Legislativa
Após passar 580 dias preso na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba, no Paraná, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) está em liberdade desde o final da tarde desta sexta-feira (8). Lula cumpria pena de 8 anos, 10 meses e 20 dias no caso envolvendo o triplex no Guarujá, apurado pela Operação Lavaja Jato, após condenações em primeira e segunda instância. A decisão do juiz Danilo Pereira Jr, que autorizou Lula a recorrer em liberdade, veio com a determinação do Supremo Tribunal Federal (STF) derrubar a obrigatoriedade de prisão em segunda instância.

Presidente do PT no Rio Grande do Sul, o deputado estadual Pepe Vargas, foi um dos nomes fortes da legenda a se pronunciar a respeito do caso. Em entrevista ao Jornal NH, o parlamentar petista reafirma a tese de que, no seu entendimento, Lula foi vítima de perseguição. “Não deveria nem ter sido preso. O ex-presidente Lula foi vítima de uma farsa jurídica. Tudo isto está sendo desmascarado nas conversas criminosas que foram publicadas pelo site The Intercept Brasil”, afirmou. 

Ainda em relação aos diálogos entre o ex-juiz federal Sergio Moro e o procurador da República Deltan Dallagnol, trocados por meio de aplicativos de mensagem, sobre a atuação do Ministério Público Federal (MPF) e a Justiça na condução da Lava Jato, Vargas volta a dizer que o ex-presidente foi vítima. “Pouco antes do indiciamento, essas mesmas conversas mostram diálogos em que os procuradores mesmo afirmam que as provas contra Lula eram frágeis. Além disso, tenho certeza de que este processo será anulado por conta disso”, complementa.

Por outro lado, o presidente estadual do partido ainda considera que outras batalhas serão travadas em breve em relação ao assunto. “Creio que, agora, está sendo feito um mínimo de justiça neste caso. Porém, ainda há um longo caminho pela frente”, acrescenta.

O PT-RS promete organizar atos em defesa do ex-presidente Lula devem ocorrer em várias regiões do Estado. Em Porto Alegre, uma atividade organizada pelo partido reuniu o próximo presidente estadual da legenda, o deputado federal Paulo Pimenta, além da deputada federal Maria do Rosário, o deputado estadual Edegar Pretto e o ex-candidato ao governo do Estado e ministro do governo Dilma Rousseff, Miguel Rossetto.

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.