Publicidade
Acompanhe:
Esportes Tênis

André Ghem vive momento de transição na carreira

Tenista hamburguense pensa em pendurar as raquetes no final do ano e foca no trabalho de técnico do gaúcho Guilherme Clezar e comentarista da ESPN

Por André Heck
Última atualização: 15.02.2020 às 09:20

Foto por: Arquivo pessoal
Descrição da foto: André Ghem lança bolas para Guilherme Clezar durante treinamento
André Ghem faz parte de um seleto grupo de tenistas hamburguenses - ao lado dos top 100 Tomás Behrend, Ivan Kley e Fernando Roese - que fizeram história nas quadras. Ele chegou ao posto de número 118 do mundo em simples, foi 88º do ranking mundial de duplas e terceiro do Brasil. Conheceu o mundo através do tênis, foi convocado para a equipe brasileira da Copa Davis e venceu, em 2006, o tricampeão de Roland Garros e ex-número 1 do mundo Gustavo Kuerten.

Aos 37 anos, o Alemão, como Ghem é chamado pelos amigos, diz estar "cansado de sentir dor, não aguento mais arrebentar meu corpo" e planeja deixar as quadras no final deste ano. A transição já está em andamento. Após uma experiência no final do ano passado, ele inicia a atual temporada como treinador do tenista porto-alegrense Guilherme Clezar, 27 anos. André Ghem também vem atuando como comentarista da ESPN. Neste início de ano, ele comentou a final do Australian Open, ao lado de Fernando Roese e do narrador Renan Couto.

O trabalho como técnico surgiu de forma inesperada. "Nossa parceria surgiu no ano passado. Eu estava na Europa jogando um interclubes na Alemanha, tentando voltar a jogar, me recuperar de uma cirurgia complicada no cotovelo que eu fiz em setembro de 2018. Nesse período, ele era treinado pelo Fernandão (Fernando Roese), mas não vinha jogando bem, tendo resultados. Ele chegou na Europa sozinho e me convidou para fazer uma experiência", lembra Ghem. "Conheço o Gui desde quando ele tinha 14 anos. Treinamos e jogamos muita dupla juntos."

Como o trabalho do final de 2019 deu resultados, Guilherme convidou Ghem a seguir ao seu lado ao longo da temporada 2020. "Foi meio natural essa transição. Não imaginava ser treinador, não era uma coisa que eu tinha planejado, mas com ele é um caso diferente, um jogador já formado, com muito potencial. Vejo ele com nível pra estar entre os 100 primeiros do mundo. Então, decidi aceitar o desafio", conta André Ghem. No momento, eles estão viajando para "uma sequência de quatro torneios nos Estados Unidos e no México".

Meta é chegar ao top 100 do ranking

Foto por: Arquivo pessoal
Descrição da foto: Guilherme Clezar, o preparador físico Rafael Soutinho, e André Ghem durante pré-temporada em Porto Alegre
André Ghem chegou muito perto de ingressar no top 100 do ranking mundial. Ele chegou à 118ª posição em 2015. Agora, a meta é ajudar Guilherme Clezar a ultrapassar a barreira dos 100 melhores do mundo. Clezar é o atual número 298 da ATP, mas já esteve na 153ª colocação em 2015. "Ele estava perto de 400 do mundo (quando começaram a treinar juntos) e tinha começado o ano em 200 e pouco. Ele se mostrou muito aberto a escutar e começamos a treinar (em setembro de 2019). Na segunda semana já fez quartas de final e ganhou do cabeça 1 do torneio, o Damir Dzumhur, da Bósnia, que na época era 90 do mundo", destaca Ghem.

Plano de se despedir das quadras no final do ano

André Ghem planeja se despedir das competições ainda em 2020. "Tenho um gostinho amargo porque o último torneio que joguei, que foi o Australian Open de 2017, eu já não estava muito em condições. Vinha jogando bem e tive a primeira de uma série de lesões no cotovelo que depois acabei operando. Então não consegui jogar um último torneio a valer", lamenta. Ele já planejou onde pretende fazer a despedida. "Tenho um ranking protegido que expira no fim deste ano. Como já tenho outros projetos além do Gui e da ESPN, esse é um ano legal pra eu encerrar a carreira. Já que não tem torneio no Sul, seria no Challenger de São Paulo, em novembro. Encerraria ali um ciclo da minha vida." Para isso, ele espera se recuperar de lesões nos dois ombros.

Atuação como comentarista de tênis

Fernando Roese, André Ghem e o narrador da ESPN Renan Couto trabalharam na final do Aberto da Austrália Foto: Arquivo pessoal
Através do ex-tenista Fernando Meligeni, André Ghem começou a atuar na ESPN como comentarista enquanto estava machucado. "Me deram dois dias como teste. Fiz o primeiro jogo e me chamaram para o terceiro, depois me ofereceram a final do evento. Uma semana virou um mês, e um mês virou um ano de contrato. Agora, já estou no terceiro ano de contrato com a ESPN." Neste ano ele já comentou a final do Australian Open. Entre os comentários para a TV, ele foca no trabalho com Guilherme Clezar. "Estou feliz, fazendo o que eu gosto e o que eu acredito. E estou bem focado em colocar o Clezar entre os 100 do mundo", ressaltou o hamburguense. Ghem ainda planeja disputar jogos de exibição após encerrar a carreira.

 

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade
Matérias relacionadas

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.