Publicidade
Acompanhe:
Cotidiano | Viver com saúde Odontologia

Nada de dor: sensibilidade nos dentes deve ser prevenida

Mesmo nestes dias mais quentes, cerca de 40% dos brasileiros, especialmente na faixa etária dos 20 aos 50 anos, não vê prazer em tomar sorvete por causa deste incômodo que tem fácil solução

Por Adriana Lima
Última atualização: 11.02.2020 às 15:54

As terminações nervosas dos dentes são sensibilizadas pelo alimento frio, o que gera a sensação de dor Foto: Adobe Stock
Imagine um passeio no calçadão da praia interrompido por uma dorzinha chata nos dentes depois de morder um picolé. E aquele açúcar todo na boca incomodando: será cárie? A sensibilidade é um problema de saúde bucal que atinge cerca de 40% dos brasileiros entre 20 e 50 anos e que normalmente é deixado pra lá, pois a dor é apenas passageira. O dentista de Novo Hamburgo, João Carlos Maria Rath, explica que a sensibilidade é mais intensa na presença de alimentos e líquidos gelados, mas o problema pode surgir também com os açucarados. E não é só no contato. "Igualmente, dependendo do grau de sensibilidade, os dentes se tornam sensíveis à escovação e à mordida", acrescenta.

Rath detalha que há vários fatores causadores da sensibilidade nos dentes. "A retração gengival, cáries profundas, desgastes de esmalte com abrasão e bruxismo - ranger de dentes. A retração gengival causa a chamada Hipersensibilidade Dentinária, caracterizada por uma dor intensa, variando de paciente para paciente dependendo de sua extensão. As cáries profundas com comprometimento da polpa (nervo) provocam dores intensas e que são solucionadas com um tratamento endodôntico (canal). Desgastes de esmalte, por bruxismo ou má escovação (escovas inadequadas e com força excessiva e movimentos errados) também provocam sensibilidade, mas em menor intensidade", detalha.

Como evitar?

O dentista ressalta que é preciso buscar a orientação profissional para evitar novos episódios. "O dentista pode aplicar no seu consultório um gel ou solução dessensibilizante, que aliviará a dor por algumas horas, ou orientar para casa o paciente usar solução fluoretada para bochechos adquiridos em farmácias de manipulação, além do uso de cremes dentais específicos", cita.

É preciso também cuidar corretamente da higienização e observar a quantas anda a sua saúde bucal, certo? "Restaurações com problemas de infiltração - reincidência de cárie - ou cáries novas trazem sensibilidade, que é diferente da hipersensibilidade dentinária, podendo ser, dependendo da profundidade em relação ao nervo, bem mais acentuada", alerta o profissional.

Não é só gelado e doce

Rath lembra que a ingestão de ácidos também pode provocar sensibilidade nos dentes. "Por isso, recomenda-se a escovação logo após a ingestão dos mesmos, a fim de remover os resíduos, evitando a formação de placa bacteriana, que também é uma causa de retração gengival e, por consequência, a sensibilidade." A escovação incorreta também entra nesta lista.

Abandone hoje a mania de usar palitos nos dentes

João Carlos Maria Rath, dentista Foto: Divulgação
Esqueça o velho hábito: o palito de madeira não foi desenvolvido para higienizar os dentes e acaba machucando a gengiva. Por ser um item rígido, pode afastar o tecido da gengiva que protege a raiz do dente, contribuindo para o desenvolvimento da sensibilidade. Pode empurrar parte dos restos de alimentos para cantos do dente ainda mais difíceis de serem alcançados na escovação, além de desgastar o esmalte dos dentes, o que pode causar cáries.

 

Cuidados com a alimentação evitam a dor

Quem sofre com esta sensibilidade precisa atentar à alimentação e manter uma dieta menos ácida. Refrigerantes, frutas cítricas (como abacaxi e laranja), vinagre, vinhos e até mesmo os iogurtes devem ser consumidos com moderação e, se possível, evitados, pois o esmalte oferece pouca resistência à ação ácida desses alimentos. Alerta ainda a quem sofre de refluxo gástrico ou exagera na ingestão de alimentos ricos em açúcar.

Alerta para as soluções de clareamento

Como o clareamento dentário é um tratamento que ataca a superfície do esmalte do dente, existe a possibilidade de que os dentes fiquem mais sensíveis na região próxima da gengiva e da raiz, principalmente logo após o tratamento. Em casa, o uso excessivo de pasta de dente clareadora pode causar danos resultando em aumento das manchas e da sensibilidade, já que esse tipo de produto contém substâncias abrasivas que corroem a camada externa dos dentes. Consulte sempre o seu dentista.

Cremes dentais específicos podem ajudar

O especialista de Novo Hamburgo destaca que os cremes dentais específicos para os dentes sensíveis podem sim ajudar na prevenção do incômodo. "De fato, os cremes dentais específicos para a sensibilidade ajudarão a diminui-la, com uso frequente durante um período mais prolongado. Depende muito do tipo e do grau do desgaste, especialmente na área limite entre o esmalte que protege a coroa dos dentes e o cemento que recobre a raiz, sendo este local chamando de 'colo', que é a zona mais sensível dos dentes, próxima à gengiva", detalha. Ainda: é fundamental que a pasta de dente tenha flúor. Ele ajuda na prevenção das cáries e favorece a produção de cálcio e potássio preservando o esmalte dentário.

A escolha da escova dental é muito importante na higienização e também na prevenção da sensibilidade.

"O tipo de cerdas da escova e a escovação são importantes, portanto esta deve ser macia e o movimento é vertical (de cima para baixo no maxilar superior e de baixo para cima na mandíbula), isto é, no sentido da gengiva para o dente e/ou de maneira rotacional, sempre com movimentos suaves, porque não é a força que determina a limpeza, mas sim o movimento e a escova corretos. Escova inapropriada e força excessiva na escovação com certeza são as maiores causas das retrações gengivais e, consequentemente, sensibilidade", cita.

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade
Matérias relacionadas

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.