VOLTAR
FECHAR

Av. João Corrêa, 1017 - Centro - São Leopoldo/RS - CEP: 93010-363
Fones: (51) 3591.2000 - Fax: (51) 3591.2032

Blog Arquibancada

Aimoré prova do próprio remédio, criação x competência e as justas cobranças da torcida

.

A banca paga e recebe. No domingo (22), a equipe provou do próprio remédio. Pode ser incluído neste primeiro tópico diversos chavões, pois foi exatamente o que ocorreu com o Aimoré. Das cinco vitórias no Acesso de 2018, duas haviam sido obtidas nos acréscimos. Pois no domingo, o Guarani de Venâncio Aires tirou uma delas ao apagar das luzes, assim, deixando um 1 a 1 passível de contestações.

Criação x Competência

No ano passado (e gosto sempre da comparação do Aimoré em relação a ele mesmo), o clube teve dificuldades por conta dos baixos investimentos. Não por acaso caiu nas quartas de final. Neste ano, com a verba da Copa do Brasil, a qualidade é bem superior, pelo menos no papel, mas não há conversão na prática. O time titular ainda não é conhecido na 11ª rodada e, ainda que por vezes a criação esteja bem-sucedida, a falta de competência na hora de concluir tem sido gigantesca.

Titularidade

Entendo as graduais mexidas e também as circunstâncias. São lesões e suspensões rodada pós rodada. Mas ao mesmo tempo, o time precisa elevar à titularidade a quem tem capacidade para tal. O centroavante Brandão tem boa qualidade, já demonstrou potencial, mas hoje, ainda que não tenha as melhores condições de jogo, Hyantony é muito mais preparado. Entrou e deu grande resposta. Deve ser mantido. O mesmo ocorre com o zagueiro Luis Henrique. Antes dele, estava Centeno. O jovem, em algumas partidas, foi o grande responsável pelas coberturas. Ainda que Léo Kanu tenha evoluído, a zaga Centeno e Luis Henrique é a mais equilibrada e incontestável. Precisam atuar juntos.

Rendimento superior

Cleiton no meio já trouxe uma maior resposta e, aos poucos, alguns jovens têm melhorado. Diego Carioca fez bom jogo no domingo, ainda que tenha pecado nas finalizações. Santóris atuou como volante, teve alguns lapsos mas também precisa de maturidade. Só o tempo. O volante Digaô, ainda que seja o capitão e referência, claramente está descontado. Não conseguiu acompanhar toda a partida, oferecendo diversos momentos de vulnerabilidade à zaga. No momento, a experiência não justifica a permanência no time. A opção seria Grégori. Quando entrou, deu boa resposta.

Cuidados com os números

Na matéria desta terça-feira (24), em que trago alguns depoimentos do técnico Arilson Costa, trato dos cuidados com os números. Falo isto pois há rodadas atrás, a falta de produtividade do ataque era ofuscada pelas boas ações da defesa. Agora, a invencibilidade dos defensores quebrada na rodada é enfrentada pela nova interpretação dos algarismos: o Aimoré está há três jogos sem vencer. Contra times retrancados, a primeira linha do time teve mais tranquilidade e foi pouco exigida. Nas chegadas do domingo (22), foram diversos os sustos. O cuidado entre resultados e desempenho tem de ocorrer.

Torcida com a razão

Os burburinhos da torcida estão mais intensos. E eles fazem sentido, afinal, quanto mais investimento e qualidade, maior a cobrança. Ainda que tenham havido algumas vaias no decorrer da partida, não vejo motivos para jogadores ou comissão se incomodarem com o fato. Trata-se de uma consequência de estar em um momento de grandeza do clube. Com as cifras e elenco que tem, são justas e aceitáveis as manifestações. A resposta tem de vir campo.

Lado positivo da derrota Índia, baixa no elenco, aprendizado e o surpreendente Tupi

.

A derrota desta quarta-feira (18) veio carregada de situações. A defesa foi vazada depois de seis partidas e a liderança perdida. Mas apesar do revés, a difícil disputa diante do Bagé trouxe de volta o poder de indignação aimoresista. A equipe, mesmo com dois a menos, mostrou condições de reversão e imposição de jogo. Esse tradicional clima de Acesso andava distante das atuações Índias. Na adversidade, aparece como um ponto positivo a ser mantido no decorrer da competição.

Itaqui fora

Antes mesmo do início do jogo contra o Bagé, confirmei com o presidente Paulo Costa, a saída do lateral Itaqui. Conforme o gerente de futebol Lucas Kunrath havia me dito na terça-feira, tudo será resolvido nesta quinta-feira (19) para a liberação do atleta. Na própria terça (17), inclusive, os ânimos teriam se exaltado no Cristo Rei. O jogador parece ter se irritado com a resistência inicial do Aimoré em liberá-lo.

Aprendizado

A situação, no meu ver, é fruto de um aprendizado. Claro que a situação profissional do atleta deve ser levada em conta. É mérito dele ser desejado por outros clubes. Ao mesmo tempo, é necessário que tudo seja bem articulado contratualmente. A saída no início do ano do Cleiton, que inclusive voltou, já contou com alguns incômodos por falta de amarras. São lições importantes e que parece que surtiram efeito. O Aimoré precisa se valorar e também direcionar a própria condição à profissionalização.

Peneirão em Esteio

Em parceria do Sport Club Internacional e a Brigada Militar de Esteio, ocorrerá uma avaliação, antigamente chamada de peneirão, no município. O local que abrigará os testes será o campo do Olaria (Avenida Luiz Pasteur, bairro Três Marias), das 8 às 17 horas, no dia 6 de maio. De maneira gratuita, jovens de 9 a 15 anos poderão tentar a sorte para quem sabe vestir a camisa da base colorada.

Gauchão de juniores

Quem acompanha este espaço sabe das minhas divagações futebolísticas e do meu apreço pela valorização da base. Recentemente vi um dos guris que esteve na base do Aimoré trabalhando em uma churrascaria, como garçom. Trata-se de um emprego digno e é importante que os jovens busquem trabalhar, ainda que em outras profissões. De qualquer forma, passa uma pequena tristeza pela forma que o sonho dos garotos, por vezes, passa. Acompanhando mais uma disputa do Gauchão de juniores, desta vez sem o Aimoré, fico com esta reflexão sentimental de quem respira futebol, acompanha e entende a difícil realidade de quem é do meio. Os “Neymares” são um em um milhão. A vida de jogador, ou pelo menos de quem tentou chegar lá, não é nada fácil.

Tupi fantástico

E falando em Divisão de Acesso, não posso deixar de ressaltar o trabalho que o técnico Fabiano Borba está fazendo. Ele esteve no Aimoré durante a Copinha do ano passado, mas foi demitido e deu vaga para o próprio Arilson. Na chave B, o treinador assumiu o humilde Tupi e está na terceira colocação. Nesta rodada, goleou o tradicional Glória e está na frente de equipes como União Frederiquense, Esportivo e Passo Fundo, que contam com investimento muito maiores. Vale ficar de olho neles.

Falta de imposição, comandante ciente dos problemas e sessão solene em homenagem ao Aimoré

.

Não é novidade e não tem mistério. Jogador de futebol precisa ter continuidade. O preparo físico, alinhamento tático, confiança e entrosamento só aumentam desta forma. No entanto, se há um reserva em melhores condições, creio que, mesmo enquanto os resultados estejam favoráveis, a mudança deve aparecer. E esta tem sido a cobrança da torcida aimoresista. A campanha é muito boa no quesito números, mas o desempenho deixou a desejar contra o Santa Cruz. Outra vez. Qualidade existe.

Imposição

Um dos plantéis mais técnicos da Divisão de Acesso 2018 certamente é o do Aimoré. Creio que possa ser uma tendência o crescimento de alguns jogadores na hora dos matas, mas ao mesmo tempo, é irresponsável apenas aguardar. No momento em que a eliminação aparece, não adianta mais. Todas as ressalvas são necessárias, no meu ver, para que o time se imponha e vença na força. No Acesso, nada ocorre ao natural.

Comandante ciente

Conversei com o técnico Arilson Costa na tarde desta segunda-feira (16). Expus as minhas “preocupações” e fiquei satisfeito com a leitura. O comandante também espera mais e tem feito cobranças fortes. Assim como alguns egressos da base foram para o banco, outros nomes também podem ter de esperar caso não mudem de atitude.

Luis e Cleiton no time

O zagueiro Luis Henrique foi o xerife do Avenida no Gauchão. Cleiton talvez seja o melhor atleta disponível no Cristo Rei. Precisam jogar. Figuraram no banco na partida contra o Santa Cruz, mas nesta quarta-feira ambos jogarão. Não é jogar pelo nome, mas ser justo pelo que eles têm treinado e pelo que podem apresentar. Aposto numa necessária mexida graças aos desfalques e também pelo desempenho pouco convincente.

Sessão Solene

E no início da tarde desta segunda-feira (16), recebi a visita do vereador Fabiano Haubert. O aimoresista confesso, veio salientar a Sessão Solene marcada para o dia 23 de abril, na próxima segunda-feira. Na Câmara de Vereadores, a data será dedicada ao Aimoré, tendo homenagens a figuras tradicionais do clube em alusão aos 82 anos de história. A oportunidade é interessante para o alinhamento da comunidade com o Índio Capilé.

Elenco Índio encorpado, Itaqui, Cleiton e as novidades no vizinho anilado

.

Sem me garantir, por conta da ausência da assinatura, Lucas Kunrath confessou na tarde desta segunda-feira (2) que o clube deve assinar com Itaqui e, também, com Cleiton, que esteve aqui no início do ano. Fechando com os dois, reafirmo a palavra que muito tenho usado neste espaço: encorpou.

O que falta?

Itaqui pode ser uma alternativa para a lateral e também ao meio de campo. Está no ritmo de Gauchão, ou seja, já chega mais preparado do que os que estão no Acesso. A parte ofensiva, somando a chegada de Hyantony e Cleiton aos que chegaram na semana passada, Ronaldinho Gramadense, Matheus e Gean, está resolvida. Pelo menos no papel. A zaga, com Luis Henrique, também oferece um cartel interessante ao técnico Arilson Costa. As alas possuem boas opções e possibilidades para improvisações. Fecha-se o grupo? Não. Falta o incontestável camisa 1.

Nícolas é do anilado

A direção aimoresista trata a subida como uma obsessão, portanto, tenho mantido o discurso aqui na coluna sempre pensando neste fixado objetivo. E para chegar lá, o grupo precisava de qualidade. Ela chegou. Mas nesse meio tempo, tem a importante questão do defensor da meta. Pablo fez algumas boas partidas mas está longe de ser uma unanimidade. Nícolas, que seria a perfeita figura por ser identificado e estar em grande fase, acertou com o Novo Hamburgo. Com uma ficha para atleta da série A ainda em aberto, espero que seja nesta ainda aberta posição a investida.

Paguem o dobro

E trago mais um tópico do vizinho Novo Hamburgo para trazer curiosidades aos leitores deste lado do rio. Uma delas é a contratação do meia Wiliam Kozlowski. O jogador estava no Cruzeiro, desperdiçou um pênalti na última rodada, consequentemente rebaixou a própria equipe e manteve o Noia na elite. Agora, o jogador faz parte desta nova reformulação anilada para o segundo semestre que contará com série D para o clube. A brincadeira que circula é que o time hamburguense tem de pagar mais de um salário para o jogador.

Gurizada anilada

E além de salientar a boa contratação, trago a momentânea liderança dos guris do Novo Hamburgo no Gauchão de juniores para este espaço. Dois jogos e duas vitórias, sendo ambas sobre difíceis equipes: Brasil de Pelotas e Internacional. Há alguns anos, a situação positiva no estadual de base era sempre pauta aqui no Cristo Rei. Com o mesmo Arilson Costa, o time leopoldense sempre esteve nas cabeças.

Retorno

Não à toa, o Aimoré conta com diversos jogadores emergentes que, inclusive, têm grande responsabilidade na atual campanha positiva do clube no Acesso. Creio que o vizinho enxergou a importância do investimento que, no Cristo Rei, era fruto de valor proveniente de empresários. Uma pena que o próprio Aimoré não enxergue este negócio como um dos mais importantes para um futuro próspero. Falo há tempo. A base ainda fará muita falta para o clube Capilé, caso não seja retomada.

Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS